“CANDIDATURA PRÓPRIA DO PMDB É EM CARÁTER IRRECERSIVEL E VAMOS DISPUTAR”

Posted on
  • 30 de dezembro de 2011
  • by
  • ARTE É VIVER
  • in
  • Jornal A Tribuna

    Ele é acriano nascido em Cruzeiro do Sul e criado em Rio Branco, foi bancário, sindicalista, secretário municipal de Administração da Prefeitura de Rio Branco [administração de Jorge Viana], precursor da modernização do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), secretário estadual de Segurança Pública e deputado estadual e federal pelo PT.

    Este é Fernando Melo, advogado, 53 anos, e o nome mais forte que o PMDB pretende apresentar como candidato a prefeito de Rio Branco, uma alternativa à sucessão do prefeito Raimundo Angelim [PT].

    Fernando Melo concedeu entrevista exclusiva ao jornal A TRIBUNA, onde fala que é possível governar a cidade com ousadia e determinação. Afirma que sua candidatura é irreversível e que o PMDB é um partido que conta com o vice-presidente da República, seis ou sete ministros de Estado, e que, portanto, tem todas as condições de garantir uma governabilidade orçamentária.

    Confira os principais trechos da entrevista:

    CANDIDATO

    A política é para quem gosta de servir. Na verdade, entendo que política é uma doação que as pessoas individualmente fazem à sociedade. Eu sempre desejei disputar uma eleição para o Poder Executivo e nunca me foi permitido, já que dentro do meu ex-partido são “convidados” os que disputam eleições majoritárias. Tenho predileção para o executivo. Tenho uma boa experiência acumulada e estou disposto, agora dentro de um partido democrático, a realizar o meu sonho antigo. Fui convidado pelo então colega deputado, Flaviano Melo, a retornar ao PMDB e assim o fiz. Fui muito bem recebido e encontrei dentro da direção partidária uma vontade enorme de colocar o 15 na rua. Existe um consenso de que time que não joga, perde torcida. Portanto, e considerando ainda a inflação de candidatos (três), acho impossível o 15 não estar na disputa esse ano.

    O PROJETO

    Com a ajuda e sugestão da Fundação Ulisses Guimarães estamos preparando uma estratégia de construção de um programa de governo para Rio Branco. O PMDB, através da Fundação e do diretório municipal de Rio Branco, vai ouvir e debater, inicialmente com a família peemedebista, e depois com a comunidade, buscando a sua opinião e o seu apoio. O PMDB, o maior partido do Brasil, tem definido claramente 15 bandeiras que são os nossos princípios. Por exemplo, entendemos que a felicidade é direito de todo cidadão e lutaremos no campo político pela busca incessante da felicidade. Ao final desse processo de debate interno e externo, apresentaremos a toda comunidade um projeto concreto do desafio que é o de administrar a maior cidade do Estado, que abriga quase a metade da população acriana.

    INCLUSÃO SOCIAL

    A Segurança Pública, dentro dos nossos planos, está incluída no eixo que trata do desenvolvimento e inclusão social. Pela vasta experiência que possuo nessa área, tenho muito a contribuir. Segurança Pública também se faz com inclusão social. O Acre é um dos Estados onde os índices de desigualdades se equiparam aos Estados mais pobres do Nordeste. Para ter uma ideia da gravidade do problema, metade da nossa população recebe do Governo Federal ajuda financeira dos vários programas de transferência de renda. Em razão desse e de outros indicadores, é que temos a maior taxa de pessoas presas, segregadas da sociedade, do Brasil. Isso é uma vergonha, pois a Frente Popular, depois de mais de uma década não conseguiu sequer amenizar o problema. A prefeitura de Rio Branco, com toda sua estrutura, vai ajudar nesse segmento, com certeza.

    ORÇAMENTO E EMENDAS

    Rio Branco tem quase a metade da população do Estado e conta com apenas 10% do orçamento estadual. Pouco mais de R$ 400 milhões ao ano é o que a Prefeitura dispõe para atender as suas demandas. Temos que buscar no orçamento da União, recursos para ajudar a melhorar os nossos investimentos. Somente de emendas individuais, poderemos trazer muitos recursos. Quando era deputado federal, não observei no Prefeito Angelim uma dedicação eficiente para sensibilizar os parlamentares para destinação de emendas para nossa cidade. Eu mesmo colocava emendas para Rio Branco espontaneamente.

    Quando prefeito, espelhar-me-ei no prefeito Vagner Sales, que é o campeão de emendas entre todos os prefeitos do Estado. Outro fato importante que temos de lembrar, é que o PMDB faz parte do Governo Federal, o vice-presidente da República é do partido, e temos de seis a sete ministros indicados pelo nosso glorioso PMDB. Isso ajuda muito.

    Quem me conhece sabe que tenho uma boa relação em Brasília e conto com a ajuda do senador Sérgio Petecão (PSD), Flaviano Melo (PMDB), Gladson Cameli (PP), Marcio Bittar (PSDB), Antonia Lúcia (PSC) e de todos os demais. Irei pessoalmente conversar com nossa bancada e colocarei uma pessoa exclusivamente em Brasília para cuidar dos projetos de interesse de Rio Branco.

    UNIÃO DAS OPOSIÇÕES

    O PMDB, através de seus dirigentes, analisa a conjuntura política, assim como as regras eleitorais, ou seja, temos que jogar com o regulamento. A eleição na Capital pode acontecer em dois turnos, nas demais cidades não. Assim, o entendimento do PMDB e dos demais lideres de oposição em Rio Branco, é que devemos lançar vários candidatos, com o compromisso de união num eventual segundo turno. Já no interior, vamos buscar a unidade e apresentar apenas um nome que possa ser bem aceito pela população, ganhar simpatia, agregar e governar em favor de toda sociedade municipal. A oposição tem esse propósito e esse compromisso.

    EXPERIÊNCIA

    Penso que se administra com mais eficiência aquilo que conhecemos. A minha experiência profissional como advogado e economista, minha experiência de banco, de executivo na prefeitura, no Estado e nos parlamentos estadual e federal, me dão segurança. Posso, com tranquilidade, chegar junto aos nossos eleitores e convencê-los de que posso servi-los agora como prefeito.

    PREFEITO DE RUA

    A cidade de Rio Branco precisa de um gestor mais presente, pessoalmente, botar a cara no enfrentamentos de seus problemas. Serei um “Prefeito de Rua” e estarei permanentemente com meus assessores conhecendo e enfrentado os problemas de nossa cidade. As pessoas vão me ver diariamente nas ruas trabalhando a todo vapor, de manga arregaçada.

    SEM VOLTA

    Parceria só existe na prática. Acredito que o diálogo entre o prefeito Vagner Sales, do PMDB, com o governado Tião Viana, foi apenas institucional. Os eleitos têm a obrigação de juntos trabalharem pela cidade e pelo Estado. O Vagner é um político muito experiente e um dos incentivadores de minha candidatura, portanto, afirmando concretamente: não existirá retrocesso em nenhuma hipótese. Sou pré-candidato à prefeitura de Rio Branco e ponto final.

    A REVERSÃO

    Vejo na questão do saneamento incompetência, descaso e irresponsabilidade. Como um projeto político consegue passar 13 anos no poder e não enfrentar esse problema da água em Rio Branco de modo consequente. Água e esgoto devem ser tratados como coisa sagrada pelo agente público. O Estado não deu conta nem de resolver o problema no interior e agora se arvora a resolver o problema da Capital. Milhões de reais do Governo Federal foram aplicados e o problema não foi sanado. Na época do Mauri Sérgio na Prefeitura, nem a conta de seu próprio consumo o Estado pagou. Pasme, durante os sete anos do prefeito Angelim eles também não pagaram um talão de água sequer. Uma verdadeira irresponsabilidade. Algo sério está por traz dessa reversão.

    COLIGAÇÃO

    Já temos o PSD, do senador Petecão, como aliado e estamos numa conversa franca com o PP, de Gladson Cameli, além de outras conversas que temos com partidos. A hora é de articulação. Os partidos da nossa coligação nunca serão tratados com partidos de baixo clero. Todos serão respeitados. Vamos ganhar a eleição juntos e juntos vamos governar.
    “Candidatura própria do PMDB é em caráter irreversível e vamos disputar”“Candidatura própria do PMDB é em caráter irreversível e vamos disputar”

    0 comentários:

    Postar um comentário

    ISSO É POLÍTICA DE VERDADE

     
    Balanço Geral (c) 2011